Início » Ciclo menstrual, ovariano e endometrial

Ciclo menstrual, ovariano e endometrial

Definição

O ciclo menstrual, ovariano e endometrial correspondem a coisas diferentes, certo Doc?

O ciclo menstrual é o período (em média de 28 dias) em que o eixo “hipotálamo, hipófise e gônadas” vão funcionar por mecanismos de feedback a fim de preparar o corpo e o endométrio para uma gestação.

O ciclo ovariano corresponde ao que acontece dentro do ovário durante o ciclo menstrual. É dividido em três fases: folicular, ovulatória e lútea. Embora alguns autores considerem apenas a primeira e a última.

Já o ciclo endometrial corresponde ao que acontece no endométrio em resposta ao ciclo ovariano. É dividido em fase proliferativa e secretória.

Para entender melhor vamos por partes, ok Doc?

Ciclo ovariano

Doc, esse que você está vendo abaixo é o ciclo ovariano.

Fase folicular: vai do folículo primordial ao folículo maduro.

Fase ovulatória: é a parte em que há a ovulação, ou seja o folículo maduro é rompido liberando o ovócito secundário para ser fecundado.

Fase lútea: é da formação do corpo lúteo até a regressão a corpo albicans.

(GUYTON, 2017)

Ciclo endometrial

Fase proliferativa ou estrogênica: momento em que o endométrio se prolifera por estímulo do estrogênio e as glândulas cervicais secretam muco fino e pegajoso a fim de auxiliar na movimentação dos espermatozoides e consequente fecundação. O marco inicial é o pós menstruação e o marco final dessa fase é a ovulação.

Fase secretória ou progestacional: momento em que o endométrio se espessa por depósito de lipídios e glicogênio nas células estromais. Além de haver um aumento na irrigação a fim de nutrir o embrião se este for fecundado. O marco dessa fase é ovulação até fecundação ou menstruação.

Ciclo menstrual

Para entender o ciclo menstrual precisamos misturar os conceitos de ciclo ovariano e endometrial, ok Doc?

Acompanhe a imagem abaixo:

Os hormônios FSH e LH são os hormônios hipofisários que vão estimular o ciclo ovariano. Enquanto o FSH estimula o desenvolvimento dos folículos primários a secundários, o LH vai induzir a ovulação (induz, portanto, a mudança de fase no ciclo ovariano). Repare que o FSH tem concentração mais “estável” durante o ciclo, enquanto o LH possui um pico de fato.

Só que para além dessas funções primordiais precisamos entender como o ovário vai produzir estrógeno e progesterona. Para isso, Doc, perceba como um processo:

  1. FSH estimula o desenvolvimento dos folículos. Só que para o folículo se desenvolver precisa haver a proliferação das células da granulosa.
  2. As células da granulosa começam a secretar estrogênio (ação da enzima aromatase).
  3. O estrogênio, ou estradiol, induz a fase proliferativa do endométrio (observe na base da imagem acima).
  4. Nesse momento por feedback positivo o estrogênio induzirá ao pico de LH pela hipófise, que por sua vez culminará na ovulação.
  5. O corpo lúteo resultante da ovulação possui células da granulosa e da teca. Aqui há a produção de grande quantidade progesterona e estrógeno, mas a progesterona é que se encontra em maior quantidade. Sua função principal é manter o embrião enquanto não houver produção deste hormônio pela própria placenta e isso é feito pela fase secretória por ela induzida.
  6. Assim, se não houver fecundação, o corpo lúteo é atrofiado a albicans, ocorre a queda de estrógeno e progesterona que por feedback negativo no hipotálamo induz novamente (por GnRH – hormônio liberador de gonadotrofinas) o aumento de FSH e LH na hipófise.
  7. No endométrio essa queda de progesterona na ausência de fecundação se reflete na menstruação ou descamação endometrial. Iniciando, assim, um novo ciclo menstrual.

Esse processo de feedbacks que configura o ciclo menstrual pode ser observado na seguinte imagem do eixo hipotalâmico-hipofisário-ovariano:

(GUYTON, 2017)

Bora testar seu conhecimento?

Resposta

Doc, quer treinar esse assunto e qualquer assunto da medicina com +16.000 questões comentadas, +100.000 Flashcards, Resumos e Vídeo-aulas?

Se inscreva em nosso site para ser avisado da abertura de vagas da Plataforma MEDsimple

Referências

  1. GUYTON, A. C.; HALL, J. E. Tratado de Fisiologia Médica. Rio de Janeiro: Elsevier.
  2. MEDEIROS SF. Fisiologia da Reprodução. In: Tratado de Reprodução Assistida. Sociedade Brasileira de Reprodução Humana.

Post navigation

1.626 Comments