Início » Diabetes Mellitus tipo I

Diabetes Mellitus tipo I

Introdução

O diabetes mellitus (DM) refere-se a um grupo de distúrbios metabólicos comuns que compartilham o fenótipo da hiperglicemia. Existem duas categorias amplas de DM, designadas como tipo 1 (DM1) e tipo 2 (DM2). Ambos os tipos de DM são precedidos por uma fase de homeostase anormal da glicose à medida que os processos patogênicos progridem. O DM1 representa o resultado de uma deficiência completa ou quase total de insulina. Enquanto o DM2 é um grupo heterogêneo de distúrbios caracterizados por graus variáveis de resistência à insulina, menor secreção de insulina e maior produção de glicose.

Diferenças entre DM1 e DM2. Disponível em: Guyton, 2871.

O DM2 foi assunto de um outro post do nosso blog. Nesse post, vamos conversar sobre o DM1.

Epidemiologia

Doc, o diabetes é problema de saúde que alcançou níveis alarmantes. Hoje, mais de meio bilhão (537mi) de pessoas estão vivendo com diabetes em todo o mundo! A projeção é para que, em 2045, esse número chegue a 780 milhões! O DM1 ocorre em cerca de 5 a 10% dos diabéticos; Enquanto o DM2, 90% dos diabéticos.

Number of people with diabetes worldwide and per IDF Region in 2021–2045 (20–79 years). Fonte: https://diabetesatlas.org/idfawp/resource-files/2021/07/IDF_Atlas_10th_Edition_2021.pdf.

Etiologia

O diabetes tipo 1 é causado por um processo autoimune em que o sistema imunológico do corpo ataca as células β produtoras de insulina do pâncreas. Como resultado, o corpo produz muito pouco ou nenhuma insulina. As causas desse processo destrutivo não são totalmente compreendidas, mas uma explicação provável é a combinação de:

  • Suscetibilidade genética (conferida por um grande número de genes);
  • Gatilho ambiental, como uma infecção viral.

Essa combinação inicia uma reação autoimune de hipersensibilidade mediada por linfócitos T contra algum antígeno das células β. A condição pode se desenvolver em qualquer idade, embora ocorra com mais frequência em crianças e jovens adultos.

O DM1 é um distúrbio catabólico evidenciado por deficiência absoluta de insulina, nível sanguíneo alto de glicose e decomposição das gorduras e das proteínas do corpo.

Ação da insulina no corpo. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC8232639/pdf/ijms-22-06403.pdf.

Sintomas

Então, Doc! Vamos aos sintomas clínicos. Um fato que deve levantar suspeita é a idade do paciente. Como já vimos, a DM1 é uma doença típica da infância/adolescência. Como o paciente perdeu a capacidade produtiva de insulina por causa do ataque auto imune das células β, ele apresentará hiperglicemia crônica. A hiperglicemia fará com que o paciente apresente sintomas clínicos característicos:

  • Vontade frequente de ir ao banheiro (poliúria ou noctúria);
  • Sede excessiva (polidipsia);
  • Fome em excesso (polifagia);
  • Perda de peso repentina;
  • Falta de energia e fatiga (letargia).
The typical symptoms of type 1 diabetes. Fonte: https://diabetesatlas.org/idfawp/resource-files/2021/07/IDF_Atlas_10th_Edition_2021.pdf

Por causa da deficiência absoluta de insulina, outra característica frequente desses pacientes é o desenvolvimento de cetoacidose. Uma das ações da insulina é inibir a lipólise e a liberação dos ácidos graxos livres nos adipócitos. Quando o hormônio está ausente, os pacientes entram em cetose quando esses ácidos graxos são liberados dos adipócitos e convertidos em cetonas no fígado.

Diagnóstico

Para que se tenha o diagnóstico do DM1 é necessário que se realize as dosagens séricas de glicemia e hemoglobina glicosilada.

Devem ser colhidos, em dias diferentes, dois exames de sangue. O paciente é suspeito da patologia se apresenta:

  • Glicemia em jejum acima de 126 mg/dl.
  • Glicemia em qualquer momento do dia acima de 200 mg/dl.
  • Hemoglobina glicoslada (HbA1c) maior que 6,5%.

O organograma abaixo pode ajudar, doc:

Critérios diagnósticos para DM. Disponível em: https://diabetesatlas.org/idfawp/resource-files/2021/07/IDF_Atlas_10th_Edition_2021.pdf

Tratamento

Disponível em: https://www.endocrine.org/-/media/endocrine/files/patient-engagement/hormones-and-series/hormones_and_mealtime_insulin.pdf


As metas da terapia para o DM (1 e 2) consistem em:

  • Eliminar os sintomas relacionados com a hiperglicemia;
  • Reduzir ou eliminar as complicações microvasculares e macrovasculares de longo prazo;
  • Permitir que o paciente possa levar um estilo de vida o mais normal possível.

Como o grande problema da DM1 é a hiperglicemia, há a necessidade de controle de dieta, glicemia e prática de atividades físicas para manter a qualidade de vida do paciente.

Ademais, o tratamento efetivo do DM1 requer administração de insulina (insulinoterapia), de modo que o paciente possa ter metabolismo de carboidratos, lipídios e proteínas tão normal quanto for possível. Os diferentes tipos de insulinoterapia envolvem uma série de detalhes que merecem um artigo todo especial só para eles (spoiler dos próximos posts do blog hehehe).

Macete

Doc, o macete de hoje é sobre os sintomas que devem acender um sinal de alerta para a possibilidade de diabetes!

Os 4Ps da diabetes:

  • Polifagia;
  • Polidipsia;
  • Poliúria;
  • Perda de peso;

Além disso, vale lembrar que a diaBETA tipo 1 é causada pelo ataque autoimune das células β pancreáticas 😎

Testando o seu conhecimento

Resposta

Doc, quer treinar esse assunto e qualquer assunto da medicina com +16.000 questões comentadas, +100.000 Flashcards, Resumos e Vídeo-aulas?

Se inscreva em nosso site para ser avisado da abertura de vagas da Plataforma MEDsimple👇

Referências

  1. IDF Diabetes Atlas. 10th edition. International Diabetes Federation, 2021. Disponível em: https://diabetesatlas.org/idfawp/resource-files/2021/07/IDF_Atlas_10th_Edition_2021.pdf.
  2. RAHMAN, Md Saidur. Role of Insulin in Health and Disease: An Update. International Journal of Molecular Sciences. 2021, 22, 6403. DOI: https://doi.org/10.3390/ijms22126403 .
  3. HALL, John E. Guyton & Hall: Tratado de fisiologia médica. 13. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2017.
  4. Medicina interna de Harrison. Org. KASPER, Dennis L. et al. 19. ed. Porto Alegre : AMGH, 2017. e-PUB.
  5. GROSSMAN, Sheila C.; PORTH, Carol Mattson. Fisiopatologia. 9. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2016.


Post navigation

1.609 Comments