Início » Histologia do Tecido Ósseo

Histologia do Tecido Ósseo

Definição

O tecido ósseo é um tecido conjuntivo especializado, que difere dos demais tecidos conjuntivos por ter uma matriz extracelular mineralizada.

Função

Doc, o tecido ósseo faz a composição estrutural dos ossos. Assim, de maneira indireta, esse tecido também é responsável pela sustentação do corpo, locomoção e proteção dos órgãos internos. Agora, de maneira direta, os ossos possuem a função de armazenamento de alguns minerais e íons, como por exemplo, de cálcio e fosfato.

Composição

O tecido ósseo é composto por uma matriz extracelular mineralizada e por células.

Matriz extracelular

A matriz extracelular mineralizada é a responsável por dar rigidez e resistência aos ossos. Ela é composta por uma parte orgânica, responsável pela elasticidade dos ossos, e outra inorgânica, que lhes conferem resistência. Essa parte inorgânica corresponde a aproximadamente 50% do peso da matriz óssea, sendo constituída, basicamente, de fosfato de cálcio na forma de cristais de hidroxiapatita [Ca10(PO4)6(OH)2]. Já a parte orgânica, é formada majoritariamente por fibras colágenas, das quais predominam o colágeno tipo I e, em menor quantidade, o tipo V – sendo que quantidades residuais de colágenos tipo III, XI e XIII também podem ser encontrados. Além das fibras colágenas, a parte orgânica da matriz é composta também por uma pequena quantidade de proteoglicanos e glicoproteínas, as quais fazem parte da substância fundamental do osso.

Aliás, se liga nisso, Doc:

  • Um osso sem sua parte inorgânica ficará mole como uma borracha, perdendo sua função de rigidez.
  • Da mesma forma, um osso sem a parte orgânica irá se esfarelar ao simples toque, não tendo mais sua função de resistência.

Células

Os osteócitos, osteoblastos e osteoclastos são as células que compõem o tecido ósseo.

Osteócitos

A seta indica uma lacuna, local em que os osteócitos se alojam. Os prolongamentos que partem dessas lacunas são chamados de canalículos.
Fonte da imagem: https://www.histologyguide.com/slideview/MHS-202-ground-bone/05-slide-1.html?x=5419&y=3720&z=100.0&p=5511&q=3767

Os osteócitos são as células responsáveis pela manutenção da matriz óssea. Eles localizam-se em espaços chamados de lacunas, presentes na matriz extracelular, sendo que apenas um osteócito ocupa cada lacuna. Seus prolongamentos estendem-se por canalículos e podem se comunicarem com os prolongamentos de osteócitos vizinhos através de junções comunicantes, o que permite a troca de pequenas moléculas e íons entre essas células. Caso um osteócito morra, em decorrência de um trauma, por exemplo, isso resultará em reabsorção óssea, seguida de reparo ou remodelagem do tecido ósseo afetado.

Osteoblastos

A seta indica um osteoblasto revestindo internamente um canal ósseo.
Fonte da imagem: https://www.histologyguide.com/slideview/MH-045-bone/05-slide-1.html?x=17548&y=8775&z=73.0&p=17533&q=8669

Os osteoblastos são as células responsáveis pela secreção da parte orgânica da matriz óssea. Além disso, sintetizam osteonectina, que facilita a deposição de cálcio, e osteocalcina, que estimula a atividade dos osteoblastos. Uma vez que estejam em plena produção de matriz, essas células possuem formato cuboide e seu citoplasma é basófilo. Por outro lado, quando estão pouco ativos, seu formato fica achatado e a basofilia do citoplasma diminui.

Uma vez que os osteoblastos ativos secretam a matriz óssea, ela não calcifica imediatamente, formando um halo esbranquiçado na coloração com eosina. Assim, essa matriz recém sintetizada recebe o nome de osteoide.

Para finalizar, com a contínua secreção de matriz, o osteoblasto acaba ficando aprisionado em uma lacuna e passa a ser chamado de osteócito.

Osteoclastos

A seta indica um osteoclasto, célula gigante e multinucleada responsável pela reabsorção óssea.
Fonte da imagem: https://www.histologyguide.com/slideview/MH-046-bone-development/05-slide-3.html?x=23512&y=27828&z=100.0&p=23516&q=27845

Os osteoclastos são células gigantes, multinucleadas, móveis e muito ramificadas. Por sua vez, elas se originam de precursores mononucleados da matriz óssea que, quando em contato com o tecido ósseo, unem-se para formar essa célula multinucleada.

Sua principal função é realizar a reabsorção óssea, papel que desempenham através da liberação de prótons e hidrolases lisossômicas no espaço extracelular. Uma vez liberadas, essas enzimas degradam o colágeno e outras proteínas ósseas, formando a chamada baía de reabsorção, também conhecida como lacuna de Howship. Quando o processo de reabsorção acaba, os osteoclastos envolvidos sofrem apoptose.

💡 Macete

Doc, para lembrar da diferença entre o osteoblasto e o osteoclasto, se liga no macete a seguir👇

  • OsteoBlasto, com B de Builder, ou seja, construtor – já que ele é responsável por sintetizar a matriz óssea.
  • OsteoClasto, com C de Catabolismo – que lembra de destruir coisas, já que ele é reponsável pela reabsorção óssea.

Tipos de tecido ósseo

Macroscopicamente, podemos dividir os ossos em compactos e esponjosos. Por exemplo, um osso longo possui epífises formadas por osso esponjoso, enquanto sua diáfise é majoritariamente composta de osso compacto, a não ser a região próxima ao canal medular, que também é esponjosa. Entretanto, cabe ressaltar que, histologicamente, esses dois tipos ósseos apresentam basicamente a mesma constituição.

Assim, histologicamente podemos classificar o tecido ósseo de maneira diferente, sendo: tecido ósseo imaturo (também chamado de primário ou não-lamelar) e tecido ósseo maduro (secundário ou lamelar).

Compare os dois tipos ósseos sobre os quais conversaremos mais a seguir, Doc.
Fonte da imagem: Ross – Histologia: Texto e Atlas – 6ª Edição

Tecido ósseo imaturo, primário ou não-lamelar

Perceba nesse corte de osso imaturo como não há uma conformação organizada de lamelas, além da maior quantidade de células quando comparado com um osso secundário.
Fonte da imagem: Ross – Histologia: Texto e Atlas – 6ª Edição

Como o próprio nome sugere, esse é o primeiro tecido ósseo a aparecer em nosso corpo ainda quando somos apenas fetos. Com o passar do tempo, ele é substituído por tecido secundário, sendo, portanto, encontrado em pouca quantidade em indivíduos adultos – por exemplo, nas bolsas alveolares da cavidade oral adulta.

Constitucionalmente, o tecido ósseo primário apresenta fibras colágenas distribuídas em direções aleatórias (sem formar lamelas), além de possuir menor quantidade de minerais e maior proporção de osteócitos em comparação com o tecido ósseo maduro.

Tecido ósseo maduro, secundário ou lamelar

Compare com a imagem anterior, Doc, e perceba como o tecido é muito mais organizado e possui menor número de osteócitos.
Fonte da imagem: Ross – Histologia: Atlas e Texto – 6ª Edição

Como você deve imaginar, Doc, o tecido ósseo secundário predomina em indivíduos adultos. Diferentemente do primário, suas fibras colágenas estão organizadas de forma concêntrica em torno de um canal ou paralelas entre si. As lacunas que contêm os osteócitos costumam ficar localizadas entre as lamelas, mas podem também estar no interior dessas. Entre as lamelas ocorre o acúmulo de matriz mineralizada, com pouquíssimo colágeno, o que forma a chamada substância cimentante.

Veja as estruturas do ósteon, Doc: em roxo mais escuro e no centro, temos o Canal de Havers; as camadas concêntricas em roxo mais claro são as lamelas; os “buracos” em preto entre as lamelas são as lacunas; a última camada em amarelo é a substância cimentante.
Fonte da imagem: https://www.histologyguide.com/EM-view/EM-217-osteon/05-photo-1.html

Ao canal central, que é circundado pelas lamelas, damos o nome de Canal de Havers. Ele é revestido por endósteo, preenchido por vasos e nervos e costuma ser paralelo à diáfise em ossos longos. Juntamente com as lamelas, formam os Sistemas de Havers ou ósteon. Os Canais de Havers comunicam-se entre si, com a cavidade medular e com a superfície externa do osso por meio dos Canais de Volkmann. Esses, por sua vez, nada mais são que canais transversais ou oblíquos aos Canais de Havers, que também possuem vasos e nervos em seu interior, mas não possuem lamelas concêntricas em seu entorno.

Doc, veja todas as estruturas que compõem um osso maduro.
Fonte da imagem: Junqueira e Carneiro – Histologia Básica – 12ª edição

Periósteo e Endósteo

Doc, o periósteo e o endósteo são tecidos que revestem os ossos por fora e por dentro, respectivamente.

O periósteo é constituído por uma camada mais externa de tecido conjuntivo denso e uma mais interna que contém células osteoprogenitoras. Sua camada mais externa contém fibras de colágeno que penetram no osso e são contínuas com as fibras de colágeno da matriz extracelular. Essas fibras são chamadas de Fibras de Sharpey.

Já o endósteo, que recobre tanto a cavidade medular quanto as trabéculas de ossos esponjosos, é geralmente constituído por uma única camada de células osteoprogenitoras. Essas células, por sua vez, podem se diferenciarem em osteoblastos e células de revestimento ósseo.

Bora testar seu conhecimento?

Resposta

Doc, quer treinar esse assunto e qualquer assunto da medicina com +16.000 questões comentadas, +100.000 Flashcards, Resumos e Vídeo-aulas?

Se inscreva em nosso site para ser avisado da abertura de vagas da Plataforma MEDsimple 👇

Referências

  1. JUNQUEIRA, Luiz C.; CARNEIRO, José. Histologia básica. In: Histologia básica. 1985.
  2. ROSS, Michael H.; REITH, Edward J.; ROMRELL, Lynn J. Histologia texto e atlas. In: Histologia texto e atlas. 1993.

Post navigation

1.452 Comments